Pages

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Jornalista Alexandre Garcia deixa a TV Globo após trinta anos

Garcia atuava na Globo desde os anos 80 (Divulgação/TV Globo)
O jornalista gaúcho Alexandre Garcia, 78, deixou a Rede Globo nesta sexta-feira, 28, após quase 31 anos de casa. A emissora confirmou a informação em comunicado oficial, no qual o diretor-geral de jornalismo Ali Kamel homenageou o colega e informou que a escolha se deu para “diminuir o ritmo frenético de trabalho”.
“Em nossa conversa, Alexandre me disse que deixa a Globo, mas não o jornalismo”, disse Kamel. “Ele continuará a ter seus comentários políticos transmitidos por duzentas e oitenta rádios Brasil afora. Do mesmo jeito, continuará a escrever artigos para um sem número de jornais por todo o país. E, entre seus planos, está o de acrescentar outro títulos ao seu livro de grande sucesso Nos Bastidores da Notícia, lançado em 1990.”
“Em nome da Globo, eu agradeço por tudo de grande que Alexandre fez para o jornalismo da emissora, um legado que deve inspirar a todos nós que aqui trabalhamos: profissionalismo, brilho, correção e competência. E eu agradeço tudo o que fez por mim, seu jeito gentil, sua generosidade. Muito obrigado Alexandre, um grande abraço, que você seja muito feliz, porque você fez por merecer”, declarou Kamel.
Garcia atuava como comentarista político no Bom Dia Brasil e apresentava o Jornal Nacional em folgas dos apresentadores fixos. Também se notabilizou como um dos principais jornalistas do canal pago GloboNews.
Trajetória
Alexandre Garcia passou pelo Jornal do Brasil e pela TV Manchete antes de ir para a Globo. Durante a época da ditadura militar brasileira, afastou-se das redações para atuar como secretário de imprensa do governo João Baptista Figueiredo, o último militar a presidir o país. Entrou para o Grupo Globo no fim dos anos 80, como repórter especial dos principais jornalísticos da casa, como Jornal Nacional e Jornal da Globo, e apresentando um quadro de crônicas no Fantástico.
No canal, cobriu a promulgação da Constituição de 1988 e as eleições presidenciais de 1989. Foi um dos mediadores dos dois debates entre Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Collor que aconteceram antes do segundo turno das eleições e que acabaram arranhando a imagem da emissora posteriormente. Isso porque, no dia seguinte, o Jornal Nacional apresentou uma reportagem sobre o debate, privilegiando o desempenho de Collor. Atualmente, a Globo admite que a compilação foi um erro, e que debates não devem ser editados, e sim vistos na íntegra.
Em Brasília, Garcia foi diretor de jornalismo da sucursal da Globo entre 1990 e 1995. Também nessa época, passou a atuar como comentarista político no Jornal da Globo e, em 1996, ganhou a apresentação do programa Espaço Aberto, na GloboNews, que hoje se chama GloboNews Alexandre Garcia. Também na capital federal, apresentou o DFTV – 1ª Edição de 2001 a 2011. Garcia.
Ativo nas redes sociais, Garcia não raro compartilha artigos que publica em jornais como colunista. No final de novembro, chamou a atenção um artigo divulgado no Twitter em que o jornalista fala das últimas eleições presidenciais e afirma que a eleição de Jair Bolsonaro “representou a reação da maioria que não quer aquelas ideias que fracassaram no mundo inteiro, que mataram milhões para se impor e ainda assim não se impuseram”. Em resposta, Bolsonaro chegou a agradecer “pela menção e reflexão”.
Confira, na íntegra, a homenagem de Ali Kamel ao colega Alexandre Garcia:
Conheci pessoalmente Alexandre Garcia em 1991, quando fui diretor do jornal O Globo em Brasília e ele era o diretor regional de jornalismo da Globo na capital. Costumávamos nos encontrar às terças, quando o saudoso Toninho Drummond, então diretor da Globo em Brasília, oferecia um almoço com fontes e nos convidava. Percebi em Alexandre, de imediato, o homem que ele é: correto, íntegro e também extremamente gentil e generoso. Ele, um super consagrado jornalista, com presença marcante no vídeo, além das atribuições editoriais do cargo; eu, um recém chegado a Brasília, com 29 anos, nove anos de profissão. Apesar disso, Alexandre me tratava como um igual e me ajudava no que podia. Ao chegar à Globo em 2001 reencontrei o mesmo Alexandre: profissional completo, com conhecimento de pós-graduado na cobertura política, mas o mesmo homem gentil que eu conhecera 10 anos antes. Em decisão muito refletida, depois de quase 31 anos de trabalho aqui na Globo, Alexandre decidiu deixar a emissora para amenizar um pouco o seu ritmo frenético de trabalho. Diante do trabalho exemplar ao longo de todos esses anos, é uma decisão que respeito. Ele deixa um legado de realizações que ajudaram o jornalismo da Globo a construir sua sólida credibilidade junto ao público. O trabalho na Globo foi a sequência de uma vida profissional que poucos podem ostentar.
A naturalidade frente às câmeras sempre foi um dos trunfos de Alexandre. Consta que quando começou na Globo, o saudoso Armando Nogueira dizia que ele estava inovando porque fazia gestos na televisão. Enquanto a norma era uma postura mais formal, Alexandre caminhava, fazia gestos. Essa naturalidade vinha de criança. Aos sete anos já atuava como ator infantil na rádio em que seu pai, o radialista Oscar Chaves Garcia, trabalhava. Aos 15, transmitia a Missa na Rádio de Cachoeira do Sul, onde nasceu em 1940. Aos 16, era locutor, redator, apresentador, repórter de rua da pequena rádio Independente de Lajeado. Ao se mudar para Porto Alegre para continuar os estudos, virou locutor da Rádio Difusora, dos Diários Associados. Ele conta que o salário pagava a pensão e a escola.
Quando entrou na PUC/RS para estudar Comunicação Social(onde foi o primeiro lugar no vestibular e no curso todo e presidente do Centro Acadêmico) era funcionário concursado com primeiro lugar no Banco do Brasil. Agora era o bancário sustentando os estudos do futuro jornalista. Conseguiu seu primeiro estágio na sucursal do Jornal do Brasil na capital gaúcha. Especializou-se na cobertura de economia, com ênfase na Bolsa de Valores. Ao ser contratado pelo JB, apostou no seu talento como jornalista e encerrou sua carreira de bancário.
Em 1973, cobriu o fechamento do Congresso uruguaio, que deu início à ditadura militar no país. Foi transferido então para Buenos Aires, onde ficaria três anos, acompanhando a agonia do governo peronista e a crise que levaria também ao golpe militar. Alexandre teve que deixar a Argentina às pressas depois de uma reportagem em que denunciava o esquema de corrupção da polícia rodoviária argentina próximo à cidade de Mar del Plata.
De volta o Brasil, foi trabalhar na sucursal do JB em Brasília, onde permaneceu dez anos, firmando-se como um bem sucedido repórter de política. Em 1983, estreou no vídeo na extinta TV Manchete. É dele a entrevista do último presidente militar, João Figueiredo, de quem foi porta-voz por um período. Foi a antológica entrevista em que Figueiredo disse: “Eu quero que me esqueçam!” Continuou a carreira como correspondente internacional cobrindo as guerras civis no Líbano e Angola – e a Guerra das Malvinas, o que lhe valeu a Ordem do Império Britânico, concedida pela Rainha Elizabeth II.
Em março de 1988, a convite de Alberico Souza Cruz, começou a trabalhar na TV Globo de Brasília. Entre seus primeiros trabalhos, um quadro no Fantástico que levava o seu nome: A Crônica de Alexandre Garcia, em que divertia os brasileiros com gafes e bastidores do mundo político da capital, num texto irresistível. Como repórter especial dividia-se entre o JN, o JH e o Jornal da Globo. Participou de momentos memoráveis da história recente do Brasil como as primeiras eleições democráticas para presidente, em 1989, depois da ditadura militar. Ao lado de Joelmir Betting, entrevistou todos os candidatos no programa Palanque Eletrônico. Ainda foi um dos mediadores do debate de segundo turno entre Lula e Fernando Collor, realizado em pool pelas quatro grandes emissoras de então, Globo, Band, SBT e Manchete.
Entre 1990 e 1995, como disse, Alexandre Garcia foi diretor regional de jornalismo da Globo de Brasília, sem deixar de lado seu trabalho frente às câmeras. Em 1993, estreou como comentarista do JG, em 96, passou a ter um programa na GloboNews, Espaço Aberto.
De 2001 a 2011 foi o âncora do DFTV. Comentava, analisava, cobrava das autoridades soluções para os muitos problemas que afetam os brasilienses. Nos últimos anos, tornou-se comentarista político do Bom dia Brasil, comentarista local diário do DFTV e faz parte do grupo de apresentadores que se reveza na bancada do JN aos sábados. Durante todo esse período, não houve cobertura de política no Brasil sem que ele brilhasse.
Em nossa conversa, Alexandre me disse que deixa a Globo, mas não o jornalismo. Ele continuará a ter seus comentários políticos transmitidos por duzentas e oitenta rádios Brasil afora. Do mesmo jeito, continuará a escrever artigos para um sem número de jornais por todo o país. E, entre seus planos, está o de acrescentar outro títulos ao seu livro de grande sucesso “Nos Bastidores da Notícia”, lançado em 1990 pela Editora Globo.
Em nome da Globo, eu agradeço tudo de grande que Alexandre fez para o jornalismo da emissora, um legado que deve inspirar a todos nós que aqui trabalhamos: profissionalismo, brilho, correção e competência. E eu agradeço tudo o que fez por mim, seu jeito gentil, sua generosidade. Muito obrigado Alexandre, um grande abraço, que você seja muito feliz, porque você fez por merecer.
Veja

Cálculo da aposentadoria muda a partir de segunda-feira

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
O cálculo das aposentadorias por tempo de contribuição vai mudar a partir de segunda-feira (31), quando será acionada uma regra implementada por lei em 2015. A regra exige um ano a mais para homens e mulheres se aposentarem. A atual fórmula, conhecida como 85/95, vai aumentar um ponto e se tornar 86/96.
Quem quiser se aposentar pela regra atual – e já cumpre os requisitos – têm até domingo (30) para fazer a solicitação.
Pela fórmula 85/95, a soma da idade e do tempo de contribuição deve ser de 85 anos para mulheres e 95 para homens. O tempo de trabalho das mulheres deve ser de 30 anos e o dos homens, de 35 anos. Isso significa, por exemplo, que uma mulher que tenha trabalhado por 30 anos, precisa ter pelo menos 55 anos para se aposentar.
A partir do dia 31, para se aposentar com o tempo mínimo de contribuição, ela deverá ter 56 anos. A mesma soma precisará alcançar 86 e 96. A fórmula será aumentada gradualmente até 2026.
Aqueles que já cumprem as regras podem solicitar a aposentadoria pelo telefone 135, que funciona das 7h às 22h, no horário de Brasília. Pelo telefone, o pedido pode ser feito somente até sábado. Pelo site do INSS.o pedido pode ser feito até domingo (30).
Fórmula
A atual regra é fixada pela Lei 13.183/2015. Nos próximos anos, a soma voltará a aumentar, sempre em um ano. A partir de 31 de dezembro de 2020, passará a ser 87/97; de 31 de dezembro de 2022, 88/98; de 31 de dezembro de 2024, 89/99; e, em 31 de dezembro de 2026 chegará à soma final de 90/100.
Defensor da fórmula, o professor da Universidade de Brasília e assessor do Conselho Federal de Economia, Roberto Piscitelli, diz que o cálculo ajuda a reduzir desigualdades. “Ele combina dois indicadores [tempo de contribuição e idade mínima] que, às vezes, quando considerados isoladamente dificultam a vida do trabalhador. A fórmula ajuda a compensar a situação daqueles que começaram a trabalhar muito cedo, o que sempre foi fator de injustiça do ponto de vista do tempo para aposentadoria”, explicou.
Além de se aposentar pela regra 85/95, os trabalhadores podem atualmente se aposentar apenas por tempo mínimo de contribuição: 35 anos para os homens e 30 anos para as mulheres, independente da idade. Nesses casos, no entanto, poderá ser aplicado o chamado fator previdenciário que, na prática, reduz o valor da aposentadoria de quem se aposenta cedo.
Agência Brasil

Bolsa Família: Calendário 2019 com datas de saque é divulgado

Foto: José Cruz/Agência Brasil; Agencia Brasil
Beneficiários do Programa Bolsa Família podem consultar as datas de 2019 em que o pagamento estará disponível para saque. Para saber o dia em que o valor será creditado, a família cadastrada no programa deve consultar o último dígito do Número de Identificação Social (NIS) impresso no cartão magnético vinculado à sua conta bancária do titular.
Depois de identificá-lo, deve consultar o calendário do programa, que indica, mês a mês, as datas em que a família poderá sacar o dinheiro. Os beneficiários que possuem o cartão com final 1, por exemplo, poderão efetuar a operação no primeiro dia de pagamento – 18 de janeiro -, enquanto aqueles com o final 2 poderão resgatar o recurso a partir do segundo dia do cronograma – 21 de janeiro – e assim por diante.
Segundo as regras do programa, os beneficiários têm até 90 dias para sacar a quantia a que têm direito. O benefício é pago de forma gradual nos dez últimos dias úteis de cada mês. Por isso, o primeiro período de lançamentos do programa será de 18 a 31 de janeiro. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social, somente em dezembro R$ 2,6 bilhões foram repassados para mais de 14,1 milhões de famílias em todo o país.
O Bolsa Família é um programa de transferência direta de renda para as famílias inseridas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), contemplando famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza. Para participar, é necessário que as famílias comprovem renda mensal por pessoa de até R$ 89. Famílias com renda familiar mensal de até R$ 178 por pessoa e que sejam compostas por gestantes, crianças ou adolescentes também podem se candidatar.
Quem atender aos critério de renda e tiver interesse em se inscrever no Bolsa Família deve procurar seu representante local, na prefeitura da cidade onde reside, para se registrar no CadÚnico. Caso tenha dúvidas ou queira mais informações sobre o programa, é possível buscar atendimento pelo telefone 0800 707 2003, serviço oferecido pelo ministério.

terça-feira, 25 de dezembro de 2018

Desejo a todos os Leitores deste humilde blog um Feliz Natal e um ano Novo de Grandes Realizações!



Depois de ser recebida com festa em Nova Palmeira, Fátima passa o natal com a família na cidade onde nasceu

A governadora eleita Fátima Bezerra passou o natal em sua terra natal, Nova Palmeira, pertinho de Parelhas no Rio Grande do Norte, mas no estado da Paraíba.
Como faz todos os anos, celebrou a data com a família.
Irmãos, sobrinhos, cunhados…

 No sábado Fátima chegou a Nova Palmeira e foi recebida com festa pela família, amigos, prefeito…
Primeira governadora nascida na cidade.
O futuro senador Jean-Paul Prates, a senadora eleita Zenaide Maia e o marido, futuro secretário de Desenvolvimento Econômico, Jaime Calado, acompanharam Fátima na primeira visita a Nova Palmeira depois de eleita.
Por Thaisa Galvão

sábado, 22 de dezembro de 2018

O cochicho de Fátima Bezerra com seu futuro líder na Assembleia, deputado George Soares

A governadora eleita Fátima Bezerra disse que “ainda” não estava confirmando.
O “ainda” pode ter sido o sinal de que o deputado estadual George Soares (PR), que apoiou sua candidatura desde o primeiro turno, será o líder do Governo na Assembleia Legislativa.
Os dois cochicharam um bocado.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Eraldo Bezerra é eleito presidente da Câmara Municipal de Bodó/RN para o biênio 2019-2020


A nova composição da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Bodó/RN  para o biênio 2019/2020 foi definida em votação na noite desta sexta-feira, 21. O novo presidente será o vereador de 2° mandato Eraldo Bezerra, do (Solidariedade). Todos os 09 vereadores estiveram presentes. Foram 05 votos a favor da chapa 01 sem nenhuma abstenção.
Chapa 1  formada pelos vereadores 
-Eraldo Bezerra,(Presidente),
-Cícero Antunes,(Vice Presidente) 
-Lupércio Júnior(Secretário), 
Carlos Antônio  e Álvaro Alves.

O vereador Eraldo(ao centro), será o novo presidente
Na foto também estão o Vice Prefeito Zé Aírton e o ex Prefeito Avamar Alves.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

TRE diploma 23 dos 24 deputados estaduais eleitos

Em vez de 24, 23 deputados estaduais eleitos foram diplomados nesta quarta-feira em Natal.
Eleito, o vereador Sandro Pimentel (PSOL) foi impedido de receber o seu diploma.
Dos 23, 15 foram reeleitos para mais um mandato, e 8 assumem pela primeira vez o cargo de deputado estadual.
O presidente da Assembleia, Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB) foi diplomado para o 5º mandato. Recebeu o diploma acompanhado do pai, Ezequiel Ferreira, ex-deputado e ex-presidente da AL.
Nelter Queiroz com a mulher Luciana e os filhos; e Kelps Lima seguindo “com um celular na mão”. Ambos reeleitos.L.




Capitão Styvenson com diploma de senador

Eleito senador com 745.827 votos, o Capitão Styvenson Valentim (Rede) foi diplomado nesta 4ª feira e está apto a ser empossado para um mandato de 8 anos no Senado.
Com a posse o Capitão dá um stop na carreira militar, já que a progressão é interrompida.
Styvenson recebeu o diploma ao lado da mulher Candice.

Após 4 mandatos José Agripino Maia se despede do Senado

O senador José Agripino (DEM) se despediu, nesta quarta-feira, do Senado Federal.

Em seu discurso, feito não na tribuna, mas no plenário da Casa, disse que vai continuar trabalhando pelo Rio Grande do Norte.
“Volto para minha terra com uma frase da qual não me aparto: ‘RN em primeiro lugar’”
O senador fez um balanço de sua vida pública.
“Minha vida pública é pautada pela correção, seriedade e pelo serviço prestado, seja nas causas do meu estado, seja nas causas do Brasil. Agora, os caminhos da pátria passam pela terra de cada um de nós e, para mim, será sempre o Rio Grande do Norte”, frisou o parlamentar potiguar, que conclui o quarto mandato de senador.
Confira o discurso de Agripino, onde ele também faz as despedidas do presidente do Senado, Eunício Oliveira, que não se reelegeu e também ficará sem mandato.